.
Pousadas, Hotéis e Agências de Viagem do Rio de Janeiro

Paraty
Uma viagem ao passado 



Paraty é uma cidade única, onde as belezas naturais se aliam à cultura histórica, preservada em um centro fabuloso, nos moldes da colonização portuguesa e repleto de traços maçônicos, além de fazendas enormes, reservas indígenas e alguns quilombos que remontam ao passado nacional. Tudo é traduzido em um artesanato admirável, numa saborosa culinária regional e em festas e eventos que fazem da tradição paratiense uma das mais extraordinárias.

Como uma cidade da Costa Verde, Paraty também integra as paisagens exuberantes que reúnem a mata atlântica, serras por onde percorrem rios, formando poços e cachoeiras e um litoral privilegiado, com praias incríveis, ilhas e a mais admirável fauna e flora.


Museu a céu aberto

Tombado como patrimônio histórico, o Centro de Paraty é sem dúvida uma relíquia. A área, no passado, fora doada com o propósito de permitir o desenvolvimento da vila. Assim, engenheiros militares projetaram ruas, praças, igrejas e lotes residenciais que se organizaram em perfeita harmonia. A arquitetura é bem simples, compondo sobrados ao longo de ruelas. O requinte da elite está nas fazendas, onde grandes proprietários residiam em imponentes casarões. 

Lampiões movidos a óleo de baleia garantiam a iluminação, ruas de grandes pedras retangulares têm o meio fio beirado por depressões, pelas quais a água da chuva escoa e a água do mar alaga o centro quando a maré sobe, limpando a cidade.

Repleto do construções seculares, o Centro é um lugar onde carros não transitam. Por trás das correntes, está um verdadeiro museu a céu aberto. Neste, as fotos são permitidas. Você pode tocar em tudo e reviver o passado.

Dentre as construções coloniais, destacam-se o Chafariz do Pedreira, a Casa da Cultura (considerada pela UNESCO como a arquitetura mais representativa do século XVIII) e sobrados como da Rua Matriz (um dos mais antigos), da rua Dr Pereira (não possuem janelas, antigos depósitos que hoje funcionam como ateliês), do Príncipe ( na rua Fresca, cercado por palmeiras imperiais, símbolos da realeza) e dos Bonecos (onde ocorre apresentações teatrais com bonecos de pano). 

Dentre os monumentos religiosos, as igrejas são as grandes atrações. Cada uma se destinava a uma classe específica. A Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios era freqüentada por pescadores e trabalhadores brancos; a Igreja Santa Rita, pelos mulatos libertos; a I. Nossa Senhora das Dores, pela aristocracia e a I. Nossa Senhora dos Rosários e São Benedito, pelos escravos.

Também ergueram-se no Centro construções militares, como fortes e canhões, eternizando as batalhas da época em ruínas e edificações que serviram de alojamento, depósito e cadeia. Atualmente, os mais visitados são o Forte Defensor Perpétuo, onde se localiza o Centro de Artes e Tradições Populares e a Casa da Pólvora; o Quartel de Patitiba, que abriga a atual Biblioteca e Pinacoteca; e o Forte Iticupê, com vista para a baía. 


Riquezas além do ouro

Decerto, no passado, foi com o escoamento do ouro que Paraty teve seu boom no desenvolvimento. Com a abertura, pelos escravos, de caminhos entre Rio e Minas, o mineral era exportado através da intermediação por Paraty. Com isso, a cidade se tornou um verdadeiro entreposto comercial. Aqueles que desejarem percorrer o caminho por onde chegava o ouro de Minas, devem conhecer o Caminho do Ouro, uma trilha onde se atravessam fazendas, rios, serras e cachoeiras.

Entretanto, bem antes do ouro, Paraty passava pelo ciclo do açúcar e, nessas fazendas, está outra grande atração: a produção do açúcar, melado e aguardente. Rodas d’água, casas de farinha, alambiques e casarões são outras marcas históricas que fazem do turismo rural outra face de Paraty. Algumas fazendas preferidas são Boa Vista (margeada pela baía de Paraty, abriga a sede da marina onde ficam veleiros de Amyr Klink) e Bananal (permeada pelo Caminho do Ouro, conta com museu, restaurante, passeios a cavalo e parques).


Em meio a marcas históricas...riquezas ecológicas! 

Paraty é cercada por grandes complexos florestais de grande valor ecológico, o que resultou em delimitações de parques e reservas. Algumas unidades de proteção ambiental estão na Área de Proteção Ambiental do Cairuçu. Uma delas é a Reserva Ecológica do Joatinga, única mata primária do município. Há também o Parque Ecológico do Paraty-Mirim, onde algumas ruínas e uma igreja foram tombadas pelo IPHAN. Isso sem falar nos quilombos, nas reservas indígenas que mantêm suas aldeias genuínas e na estação Ecológica dos Tamoios, um símbolo do ecossistema brasileiro.

Todas essas riquezas ecológicas integram um cenário de rios e afluentes que, entre subidas e descidas pela serra, contemplam a paisagem com lindas cachoeiras. Estas são várias, muitas com vegetação nativa, outras com quedas d’água, poços para nadar e águas cristalinas. Dentre as prediletas, estão: Poço dos Ingleses (fácil acesso, uma verdadeira piscina própria para mergulho), Pedra Branca (duas quedas d’água desembocam numa piscina e integram a vista que se têm de um bar nas proximidades), Poço da Pedra Comprida (ótima para banho), Poço do Rodolfo (duas belas piscinas separadas por uma grande pedra) e Tobogã (pedra serve de escorrega, antecede também uma queda d’água que forma uma cortina bem em frente a uma gruta).


O esplendor do litoral

Logo após São Paulo, Paraty é a primeira cidade fluminense, integrando a Costa Verde, a região mais bem desenhada do litoral brasileiro, rodeada pelo verde da Serra do Mar (o que dá o nome à região). 

Ao sul, Trindade inicia o litoral paritiense e é considerada a região mais paradisíaca. Além de praias lindas, ótimas para mergulho, é cercada por uma vegetação impressionante que esconde trilhas para outros lugares encantadores. No passado, era um reduto hippie, mais tarde, do surfe..e hoje, atrai quem busca por camping ou cenários cinematrográficos. No trecho mais recortado, deságua o rio Paraty-Mirim, onde antigamente desembarcavam escravos. Hoje, abriga uma vila de pescadores e atravessa uma reserva indígena. Ao longo do rio, estão localizadas maravilhosas cachoeiras. Já ao norte, entre o centro histórico e Angra dos Reis, o mar invade a planície e forma os mangues.

As praias de Paraty são desenhadas por enseadas e penínsulas, que se fecham em torno da Baía de Paraty. Com isso, a circulação de correntes marítimas é impedida e as águas se caracterizam pela serenidade. Para conhece-las, é necessário ir de carro ou barco. A maioria fica um pouco distante do centro, sendo necessário voltar à rodovia principal. Mas a melhor opção é sem dúvida uma escuna ou, preferindo algo mais íntimo, uma traineira, onde o marinheiro é o seu guia, e ainda é possível aproveitar os colchonetes para tomar sol. Uma sugestão é o marinheiro Dito que, com todo bom humor e simpatia, disponibiliza sua traineira Lua Nova (24-33715878) para passeios memoráveis, e com os melhores preços. No percurso, os encantos marinhos tornam o passeio ainda mais especial. A linda fauna marinha exibe o que há de mais lindo num mergulho pelas ilhas e lajes submersas. Um destino imperdível é a Ilha Araújo, uma das maiores que abriga uma comunidade caiçara e sedia os festivais de São Pedro e do Camarão. 


Uma cidade, muitas tradições.

Paraty eternizou sua história em seu próprio cenário. Quem visita a cidade, respira o ar do passado e uma experiência como essa merece um souvenir, para eternizar a viagem na decoração da sua casa. O artesanato local é diverso: seja nas feirinhas, em lojas como Armazém do Artesão ou Banana da Terra, ou nas fazendas, que se destacam pelos doces caseiros, tapiocas da casa da farinha e cachaças artesanais do próprio alambique.

Para sentir a tradição da cidade, nada melhor do que visitá-la num dos famosos eventos e festivais. No Festival da Pinga, a grande atração (precisa dizer?) é a aguardente que sustentou por muitos anos a economia local; nas festas religiosas (como do Divino e de Santa Rita), a cidade fica ainda mais enfeitada. Mas as grandes inovadoras são o Carnaval (com o boneco gigante Boronofe, as crianças fantasiadas de Mascaradinhos e o Bloco da Lama) e a Festa Literária de Paraty, quando o encontro de escritores nacional e internacional expõe obras, debates e fazem da cidade um verdadeiro pólo cultural.

À noite, as ruas da cidade guardam todo o requinte que completam uma viagem a Paraty. Shows de jazz, blues e mpb fazem do Café Paraty um dos favoritos. Outros destaques são Paraty 33 (com música co vivo), o pub latino Che e as mesas na calçada do Coupê.

Saindo de Paraty, desejando estender a viagem, as exuberantes vizinhas são igualmente maravilhosas. Ao sul, o litoral paulista começa em Ubatuba; ao norte, Angra dos Reis Sá continuidade à incomparável Costa Verde.



Atenção: 
- Proibida a reprodução integral ou parcial de textos e imagens, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo 
que citada a fonte.
.

Mais sobre Paraty:
.


Você já esteve em Paraty? Comente sobre a cidade!


>> Conheça o Guia Paraty 10 10



Publicidade:

 

eXTReMe Tracker